Informações: +55 (83) 2101-1225 | 1221
04 a 06 de dezembro de 2019
CAMPUS DA UFCG
CAMPINA GRANDE - PARAÍBA

Faltam 105 dias
para a abertura do seminário

Minicursos

Abaixo encontra-se a lista dos minicursos do SELIMEL 2019. Após confirmar sua inscrição você poderá selecionar um para participar.

MINICURSOS EMENTAS RESPONSÁVEIS
MC 01 – Poesia infantil: convite à leitura nas salas dos anos iniciais

O minicurso promoverá vivências de leitura de poesia infantil e reflexão sobre a abordagem de poemas infantis no cotidiano das práticas docentes dos anos iniciais do ensino fundamental, com antologia de poemas de Cecília Meireles e Vinícius de Moraes a partir do método recepcional.

Albaneide Maria da Silva Félix (UFCG)

MC 02 – Poesia, performance e ensino

O minicurso apresentará possibilidades de abordagem de poemas em contexto de ensino. Trabalharemos a partir de proposições do método rizomático e perfomático, buscando contribuir para uma percepção mais vertical dos poemas. Serão trabalhados poemas de poetas e poetisas modernas e contemporâneas.

José Hélder Pinheiro Alves (UFCG)
Claudenice da Silva Souza (UFCG)
Lívia Marbelle Oliveira Barboza (UFCG)

MC 03 – Narrativas contemporâneas em sala de aula: tecendo caminhos para formação leitora

Este minicurso busca refletir sobre o ensino de literatura e a formação leitora em sala de aula a partir das narrativas contemporâneas: Mãe Judia, 1964, de Moacyr Scliar e As Meninas, de Lygia Fagundes Telles. Lançando, assim, estratégias metodológicas mais dinâmicas, motivadoras que priorizem a formação do aluno enquanto sujeito leitor. 

José Edilson de Amorim (UFCG)
Francisca Luana Rolim Abrantes (UFCG) 
Janile Simony R.Bandeira de Aragão (UFCG)

MC 04 – A Literatura Popular em sala de aula: propostas de leitura com o método recepcional

O minicurso abordará a Literatura Popular em contexto de ensino. Discutiremos o método recepcional, levando em consideração o leitor e o seu horizonte de expectativas. Trabalharemos com poemas de Patativa do Assaré e de João Paraibano. Apresentaremos sugestões metodológicas com a poesia popular.

Naelza de Araújo Wanderley (UFCG)
Lucicláudia Alves da Silva (UFCG)

MC 05 – As contribuições das estratégias de leitura para formação do leitor literário

O minicurso abordará o uso de estratégias de leituras, voltadas ao público infantil, em contexto de ensino. Trabalharemos a partir das seguintes estratégias: Inferência, conexão e visualização, buscando oferecer possibilidades que possam contribuir com a formação do pequeno leitor literário.

Márcia Tavares Silva (UFCG)
Alexsandra de Melo Araújo (UFCG)
Risoneide Ribeiro do Nascimento (UFCG)

MC 06 – Ensino de Literaturas Hispânicas na Educação Técnica e Tecnológica

Problematizações teórico-metodológicas em torno do ensino de Literaturas Hispânicas no contexto da Educação Técnica e Tecnológica no Brasil.

José Veranildo Lopes da Costa Junior (UERN)

MC 07 – Estudos feministas e de gênero na literatura

A crítica literária na perspectiva dos estudos culturais. Teoria e crítica feministas. O Gênero como categoria de análise. Estudos de gênero e sexualidade na literatura.

Tássia Tavares de Oliveira (UFCG)

MC 08 – Contação de histórias na Educação Infantil – ludismo e interação

A Literatura Infantil: definição e características, sua dimensão lúdica. A narrativa e a poesia na sala de aula. A oralidade e as tendências mais representativas da Literatura Infantil atual. É esperado que após a realização desse minicurso os alunos tenham a possibilidade de desenvolver (estabelecer) práticas literárias diversas, dentre elas, destacamos a mais relevante, que são as formas lúdicas junto as crianças da Educação Infantil.

Rute Pereira Alves de Araújo (UFCG)
Maria do Socorro Moura Montenegro (UEPB)

MC 09 – Práticas de leitura para uma educação de base intercultural e antirracista

Noções teóricas básicas sobre discurso, cultura, representação, identidades e racismo estrutural. A leitura como prática política, histórica e cultural. A leitura de textos literários e não-literários para uma educação antirracista e intercultural.

Maria Angélica de Oliveira (UFCG)
Patrícia Pinheiro Menigon (UFMA)

MC 10 – A BNCC vai à escola. E agora, professor?

Estudo da BNCC – Língua Portuguesa, Ensino Fundamental, Anos Finais – e suas implicações para a formação (inicial e/continuada) docente.

Patrícia Silva Rosas de Araújo (UEPB)

MC 11 – BNCC: fundamentos, princípios e perspectiva de ensino de língua materna

Estudos sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), atual documento normatizador de ensino da Educação Básica do país.

Jéssica Rodrigues Silva (UFCG)
Heloísa Costa de Oliveira (UFCG)
Denise Lino de Araújo (UFCG)

MC 12 – Orientações docentes para a escrita de gêneros textuais no contexto da educação básica

Trabalho docente no contexto da educação básica. Ensino de escrita. Análise e construção de comandos docentes para a produção de gêneros textuais. Condições de produção de textos segundo a perspectiva do Interacionismo Sociodiscursivo (ISD).

Danielly Dayane Soares de Macedo (UFCG)
Maria de Fátima Alves (UFCG)

MC 13 – Ensinar a escrita na Educação Básica: questões didáticas

Neste minicurso serão apresentadas e discutidas propostas e materiais de ensino da escrita na Educação Básica, sobretudo as que dizem respeito ao Ensino Fundamental e à Educação de Jovens e Adultos. A discussão em pauta será guiada pelo estabelecido na Base Nacional Comum Curricular.

Márcia Candeia Rodrigues (UFCG)
Paulo Ricardo Ferreira Pereira (UFCG)

MC 14 – Léxico e Ensino: abordando as relações lexicais nas práticas de leitura e escrita

Relações Lexicais. Léxico como elemento de coesão textual. Léxico e Gêneros Textuais.

Mônica Mano Trindade Ferraz (UFPB)
José Wellisten Abreu de Souza (UFPB)

MC 15 – Metodologias ativas e inovadoras: refletindo sobre a práxis docente em tempos de tecnologia digital

Análise histórica da evolução do ensino ao longo dos anos. Conceptualização das metodologias ativas e inovadoras. Desenvolvimento de discussões e reflexões sobre a práxis docente em tempos de tecnologia digital: suas demandas e seus empecilhos. Compartilhamento de ideias, experiências e criação de projetos interdisciplinares.

Izabel Cristina Barbosa de Oliveira (UAB-UFRPE)

MC 16 – Metodologias ativas na sala de aula: modos de fazer

Delimitação do conceito de inovação: inovação tecnológica versus inovação metodológica. Metodologias ativas: conceito, características, exemplos e modos de fazer. Ênfase na implementação das metodologias promotoras do protagonismo do aluno em sala, em atendimento às novas exigências do ensino, em partículas, à Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Discussão das possibilidades de aplicação das metodologias ativas aos diversos níveis de ensino (fundamental, médio e superior).

Laura Dourado Loula Régis (UFCG)
Carla Daniela de Oliveira Régis da Costa (UFCG)

MC 17 – O uso de matérias digitais como recurso complementar ao ensino de Língua Portuguesa

Diante das transformações cibernéticas, informáticas e informacionais, surge a necessidade de modificações na prática de ensino, visto que a exposição tradicional de conteúdos não se sustenta mais nesse cenário. Com isso, torna-se importante que o professor se aproprie e conheça as novas configurações de linguagens em ambientes digitais, considerando a relevância de dispositivos móveis, de aplicativos, de postagens em redes sociais, sites, de videoaulas e de vídeo resenha não para substitui-lo, mas para complementar e enriquecer as atividades didáticas em contexto de ensino. Sendo assim, a proposta desse minicurso é realizar discussões a respeito das potencialidades da utilização de materiais (aplicativos, vídeos, sites) provenientes de ambientes digitais como recurso complementar às práticas docentes que envolvem as atividades de leitura e de escrita.

Katianny Késia M.Negromonte Targino (UFCG)
Flávia Thaís Alves Brito (UFCG)
Williany Miranda da Silva (UFCG)

MC 18 – O uso das TDICS na prática docente: desafios e possiilidades

É perceptível que as Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDICs) vem ganhando espaço no contexto educacional, apesar de não terem sido destinadas inicialmente para este fim. Neste sentido, as TDICs ampliam as possibilidades de trabalho em sala de aula, que ultrapassam o ensino presencial. Desta forma, o professor necessita ter em mente que ensinar línguas não se faz somente a partir de estudos gramaticais ou de e vocabulário, mas, sobretudo, trazer para sua prática docente novas perspectivas, dentre elas a utilização de recursos digitais que facilitam/beneficiam o processo de ensino e aprendizagem. Desta forma, preocupados com a crescente virtualização e acesso à informação além da sala de aula, objetivamos apresentar alternativas de ferramentas digitais e práticas que procurem atender as demandas que surgem no âmbito do ensino básico e superior no que se refere a prática docente.

Fábio Marques de Souza - (PPGFP/PPGLE)
Rickison Cristiano de Araújo Silva – (UFPE)
Wellington Barbosa de Sousa (UFCG)

MC 19 – Multiletramentos, Multimodalidade e Análise do Discurso na Análise de Textos em Sala de Aula de LE – Formação de docentes e leitores críticos.

Discussão e desenho de propostas de análise de textos em língua estrangeira, em sala de aula, tendo como marco teórico os estudos sobre multiletramentos, multimodalidade e análise crítica do discurso.

Cícero Anastácio Araújo de Miranda (UFCE)

MC 20 – A Tradução na aula de Língua Estrangeira

A Tradução através de métodos e abordagens de Ensino de Língua Estrangeira (doravante LE). A tradução na aula de LE: explicativa, interiorizada e pedagógica. Categorias de uso de tradução em seu viés automático. Exercícios de tradução para sala de aula de LE.

Cleydstone Chaves dos Santos (UFCG)
José Marcelo de Souza Modesto (UFCG)

MC 21 – O falar em inglês “amigo do ouvinte”: pronúncia e fluência de aprendizes brasileiros

Pronúncia e inteligibilidade. Fluência e suas variáveis.

Neide Cruz (UFCG)

MC 22 – Produção de matérias didáticos como instrumentos pedagógicos nas aulas de Libras

A inserção da Língua Brasileira de Sinais (Libras), como disciplina nos cursos de formação de professores, de acordo com o Decreto Federal 5.626/05, é uma conquista para comunidade surda. Fazendo-se necessário refletir sobre as práticas pedagógicas baseadas no ensino de Libras para ouvintes L2 e surdos L1, na vivência da elaboração de materiais didático-pedagógicos como jogos, dinâmicas, brincadeiras e atividades adaptadas ao ensino de Libras, bem como o impacto dessas práticas na formação dos docentes e discentes. O propósito das confecções dos materiais pedagógicos não é, apenas, ensinar os sinais soltos a partir de vocábulos em Libras, mas, sim, através da utilização dos gêneros textuais promovendo, acima de tudo, a cultura e identidade surda.

Conceição de Maria Costa Saúde (UFCG)
Rosalva Dias da Silva (UFCG)

MC 23 – Sigmanulogia na Libras

Introdução da disciplina Sigmanulogia e seus aspectos linguísticos da Língua de sinais; Abordagens linguísticas e históricas da língua de sinais e seu processo sigmanulógico; dicotomias entre Fonética e fonologia das línguas orais e Sigmanulogia.

Valdo Ribeiro Resende da Nóbrega (UFPB)

MC 24 – Libras: o ensino de língua materna para crianças surdas

Cognição e linguagem. Teorias de aquisição da linguagem. Aspectos metodológicos do ensino da língua de sinais como L1. Práticas atuais do ensino de língua de sinais. Ensinando Libras através dos diferentes gêneros textuais. 

Juliana Fernandes Montalvão Mateus (UFCG)
Michele Melo Gurjão Roldão (UFCG)
Shayane Tayana Martins (UFCG)